EXPLICAÇÃO SOBRE O CAMINHO DE ORAÇÃO
3 de junho de 2017
Fé e o sim de Maria ao Chamado de Deus
19 de junho de 2017

1) Irmã Zélia, aproveitando o ensejo de que estamos em Agosto, um mês vocacional, com quantos anos a senhora descobriu sua vocação para a vida religiosa?
Estava com 25 anos.

2) Quais foram as maiores renuncias que a senhora já teve por causa das missões?
Minha maior renuncia foi o desejo de viver uma vida contemplativa, até mesmo a clausura, para me ofertar por inteiro na missão. Há momentos que chego a chorar de saudades de ficar aos pés do mestre, ficar num lugar silencioso e nestas horas devo lembrar-me das palavras de um Padre que foi a voz de Cristo: seu claustro é as ruas e sua adoração muitas vezes é a contemplação do rosto da humanidade. É o acolhimento de suas dores.
Também a renuncia da minha casa de comunidade, da minha alimentação, convivência com as irmãs, do meu quarto e tantas outras. Faço do meu quarto o meu céu. É lá que falo tudo ao meu amado e permito que suas mãos me curem. Meu quarto é meu Monte Tabor e também meu Monte das Oliveiras.
3) Geralmente as pessoas pensam que ser religiosa e ter uma vida de total entrega para Deus é sinônimo de rezar 24h por dia. Conta pra nós como é o dia a dia de uma religiosa?
 É difícil descrever meu dia a dia, pois, em cada momento vivo realidades diferentes sem nenhuma rotina. Quando estou na comunidade procuro viver o que esta dentro do meu carisma; obedecendo aos horários de orações da comunidade, formações, trabalhos da casa. Amo cozinhar… Então pelo menos uma vez na semana procuro fazer isso com muito amor.
Quando estou na missão fica mais difícil seguir a disciplina de horários para comer, dormir, cozinhar…
Procuro na medida do possível fazer pelo menos um almoço na casa que estou e rezar as orações da minha comunidade.

4) Qual é a função de um diretor espiritual? Porque  e para que precisamos de um diretor espiritual? Quais são os beneficio na vida cristã e na caminhada da pessoa que tem o acompanhamento de um diretor espiritual?
Função é ser sentinela na vida desta pessoa, muito mais que falar e acolher sua dor, portanto, para ser um bom diretor deve ser uma pessoa intima dos sacramentos, amigo de Deus, com sabedoria e falar somente aquilo que será uma fonte de luz para a vida do outro. É devolver ao outro sua responsabilidade de superação, levá-lo a escuta de Deus de forma simples.
Percebo que todos nós precisamos de um assim… Gera em nós uma humildade por excelência ser sincero diante do outro que é tão humano como eu; e trilhar um caminho de crescimento e amadurecimento na fé, acolher e por em prática é um desafio que muitas vezes exige de nós pequenez e fidelidade.

5) Irmã, li uma frase em um texto escrito pela senhora que me deixo encantada.

“Ser missionário é encontrar-se com o Sagrado ainda nesta vida. É experimentar o verdadeiro amor que Deus tem por nós e querer cumprir a vontade d’Ele em tudo, mesmo no sofrimento.”

Tendo em vista como é difícil encontrar a vontade de Deus já quando não estamos passando por calvários “violentos” e podas. Como fazemos para encontrar a vontade d’Ele nos sofrimentos? Pois as podas nem sempre são boas, algumas nos trazem dores imensas e até nós cegam, impedindo-nos de ver o que Deus tem a nos mostrar no sofrimento.
Demorou muito tempo para eu entender algumas coisas, mais hoje percebo que quando aceito a dor já estou em oração, quando há espera, diz o salmista: já estou em oração. Então esta dor ofertada por amor ela se torna redenção na vida de alguém. Nesta hora, não preciso nem preocupar em fazer longas orações, pois o calvário se torna nosso lugar de encontro com o Sagrado, com Aquele que ama, nos compreende e nos dá toda atenção que merecemos. Derramar lágrimas no cálice do cordeiro se transforma em milagre e se torna terra fértil para o agricultor semear.
Jamais serão compreendidas com a razão as tribulações, estas só podem ser compreendidas pela oração e pela fé, tudo posso Naquele que me fortalece.
Uma dor oferecida por amor salva almas, uma dor transformada em lamuria e reclamações se torna maldição e nos leva a uma perca do sentido da vida gerando depressão e morte. “A cruz é a ponte que nos une ao céu (Irmã Zélia)”.
A aceitação daquilo que temos que passar já é a realização plena da vontade de Deus.

6 – Durante todo esse tempo sendo portadora do amor de Deus e filha de Nossa Senhora, a senhora  já deve ter presenciado muitas curas e escutado testemunhos lindos de pessoas que se abriram para o amor e a misericórdia de Deus. A Senhora tem algum que marcou profundamente sua missão, ou algum para partilhar conosco?
 Os testemunhos são infinitos, cada um mais lindo que o outro. O que mais faz meu coração estremecer é quando escuto alguém que vivia no pecado e desde daquele dia que preguei renunciou por inteiro este pecado; alguém que nunca se confessou e foi ao encontro do sacerdote para limpar seu coração; alguém que diz: irmã todos os dias oro pela senhora, caminho contigo na missão pela minha oração.

7 – Qual a mensagem que a senhora deixaria para aqueles que estão discernindo seu caminho vocacional, e para aqueles que assim como à senhora tem vontade de ter uma vida religiosa?
Se lance nos braços do amado sem medo. Perder o que recebeu de Deus é nada diante da eternidade que nos espera.
Ele é que te escolhe para ser a Esposa do Rei e morar no seu palácio só para te amar 24 horas. Seja audacioso e dê o passo. Nunca se arrependera por isso.
Faça a experiência e serás feliz para sempre!

 

Perguntas enviadas pela Liliane (Lili) -SP